Existem diversas metodologias de vendas comprovadamente eficazes para ajudar no desenvolvimento dos negócios. No artigo de hoje, vamos falar de duas modalidades que se relacionam com a estratégia de marketing aplicada na gestão comercial: vendas inbound e outbound.

O que significa cada uma delas e como são utilizadas? Se você quer entender as diferenças e identificar qual se aplica melhor à realidade da sua empresa, continue a leitura!

Vendas outbound

O modelo tradicional de marketing, com propaganda em mídias de massa, abordagens diretas e anúncios interruptivos, é chamado de outbound. Pode-se dizer que esse formato tem, como foco principal, produtos e serviços. Confira abaixo as suas principais características:

Maior investimento

O marketing outbound tem sido considerado ultrapassado e sua eficácia questionada. Um dos principais motivos é o alto valor de investimento em mão de obra e anúncios pagos.

Escala de alcance

As ações envolvidas nessa estratégia (propaganda em rádio e TV, panfletos, telemarketing, venda direta etc.), porém, ainda são importantes para atender a objetivos de alcance em massa e reforço da marca.

Por exemplo, grandes indústrias, que dependem de um fortíssimo consumo de seus produtos, utilizam ferramentas outbound para garantir esse maior alcance.

Credibilidade em grandes negociações

Normalmente, empresas grandes e sólidas no mercado requerem uma abordagem comercial mais complexa e personalizada, na qual o perfil inbound não se encaixaria. Nesses casos, o contato direto é necessário para a fase de prospecção, enquanto o momento da nutrição do lead é realizado por meio de contato telefônico ou visitas pessoais.

Além disso, a exposição da sua marca, por meio da propaganda, é um argumento de venda que pode trazer diferenciação.

Vendas inbound

Marketing inbound é aquele que busca uma conexão com o consumidor, por meio de experiências agregadoras. Com ele, a comunicação é feita de maneira mais simpática e amigável, mostrando benefícios ao cliente, fornecendo informações e auxiliando na solução de problemas.

O foco, aqui, é o cliente e a experiência vivida por ele no contato com a sua marca. Nesse formato, o ambiente de interação é digital. Saiba quais são as suas principais características:

Baixo investimento (comparado ao outbound)

Há três principais pilares dentro dessa estratégia: SEO (técnicas na criação dos sites para melhorar o ranqueamento em mecanismos de busca, como o Google), marketing de conteúdo (oferecer informações relevantes por meio de blog, e-mails, e-books etc.) e comunicação em redes sociais.

Manter ativo cada um desses pilares não exige um investimento tão alto, já que os serviços podem ser realizados por uma equipe bastante reduzida ou, ainda, terceirizados a agências ou consultorias especializadas. Além disso, o ROI (retorno sobre investimento) é muito alto.

Construção de relacionamento com o consumidor

A busca por clientes é realizada de maneira passiva, sem métodos disruptivos. Isso se dá com a oferta de informações relevantes, que agreguem valor ao público. O conteúdo é oferecido com o objetivo de aumentar o tráfego de visitantes na página.

Ao impactar o perfil ideal de cliente, cria-se um vínculo que, quando alimentado continuamente, constrói uma identificação com a marca. A partir desse momento, conquista-se um lead, e pode resultar em engajamento.

A conversão em venda acontece após o convencimento por convicção e não por imposição.

Conseguiu perceber as diferenças entre os dois modelos? É preciso avaliar  atentamente cada um deles para optar pela estratégia de marketing que melhor se aplique na melhoria de resultados de sua empresa. Lembrando que vendas inbound e outbound podem ser utilizadas em conjunto.

Conheça novos conceitos e metodologias para aumentar suas vendas, lendo o nosso artigo Como estruturar o funil de vendas da sua empresa. Até a próxima!